domingo, 16 de fevereiro de 2014

"Acho que chegou a hora de sair", diz presidente do STF Joaquim Barbosa

Acho que chegou a hora de sair, afirmou o ministro em uma matéria da revista Veja (Carlos Moura/CB/D.A Press)

A carreira de um dos maiores ícones da história do Poder Judiciário no país, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, pode estar chegando ao fim, pelo menos no âmbito jurídico. Numa matéria da revista Vejadeste final de semana, Barbosa afirma que pode estar deixando a Corte. “Acho que chegou a hora de sair”, afirmou. O ministro, apesar de negar as intenções, pode estar seguindo o caminho da política. Ele foi convidado por dois partidos políticos. E, mesmo declarando que não é sua intenção no momento, não descartou totalmente a possibilidade de sair candidato.
“Isso é uma grande bobagem. Não sou candidato a nada”, diz ele. “Não sou político”. No entanto, ele admite que pode vir a ser. “Tenho 59 anos de idade. Pode ser que daqui a três ou quatro anos, eu mude de ideia”, afirma, abrindo a possibilidade de uma candidatura em 2018. No final do ano passado, num evento sobre jornalismo investigativo, na cidade do Rio de Janeiro, Barbosa declarou, pela primeira vez, que poderia ser candidato à Presidência da República e que não iria esperar a aposentadoria compulsória no STF.
As declarações à revista Veja foram dadas através de interlocutores. Caso seja verdadeira sua intenção, Barbosa poderá criar um fato novo nas eleições deste ano. Apesar de receber algumas críticas, inclusive de próprios ministros do STF, entre eles, Ricardo Lewandowski, que teve sua decisão de autorizar o trabalho do ex-ministro José Dirceu, preso condenado no processo do mensalão, anulada, Barbosa goza de boa avaliação em pesquisas.
De acordo com um levantamento recente do Datafolha, ele teria cerca de 15% das intenções de voto num cenário como possível candidato à Presidência da República. Ele poderia provocar um segundo turno. Ou, num outro cenário, caso decida apoiar algum candidato, estaria contribuindo de forma decisiva para o palanque. O ministro ganhou a atenção e os holofotes depois do julgamento do mensalão no ano de 2012, do qual foi relator.
Dois partidos teriam procurado Barbosa
De acordo com a reportagem da revista Veja, Barbosa estaria apenas esperando o julgamento dos embargos infringentes, que começam a ser avaliados na próxima quinta-feira, para se aposentar. O STF deve analisar a situação de réus como os ex-deputados João Paulo, José Genoino, do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e o ex-ministro José Dirceu. Eles podem passar do regime semiaberto para o fechado.
“Estou há quase 11 anos no STF. Sou favorável a um mandato de doze anos. Acho que já chegou a hora de sair”, diz ele. A reportagem também que revela que o ministro foi convidado por duas legendas, as quais ele não revela. Se cogita que o convite teria partido do PTB e do PSB. O deputado Romário (PSB-RJ) convidou o ministro no ano passado para ingressar no partido socialista.
Porém, Joaquim Barbosa fez uma revelação. Disse que partido com o qual mais se identifica é o PT. Ironicamente, é desse partido que surgem as maiores críticas à sua atuação no STF. “Mas é o PT antigo, não esse PT de hoje, tomado por bandidos, pela corrupção. Em termos de ideias, seria o PT de antes da candidatura do Lula”.
DP